Integrados sim, mecanizados e substituíveis não

| sábado, 14 de novembro de 2009

Como sempre começo falando diretamente com você que lê. Esse texto nasceu de uma longa observação, não totalmente aqui abordada, é mais um resumo, mas serve para que vejam o quero dizer com relação ao modo de vida superficial que vemos hoje. Espero que gostem
Como sempre observando, reafirmei uma conclusão a qual já havia chegado há tempos, estamos nos mecanizando. Tudo a nossa volta, a nossa rotina, carga horária e, principalmente, mídia, nos levam a trilhar um labirinto, onde nunca ampliamos horizontes, onde nunca podemos olhar a não ser para os lados, sempre buscando uma saída, que nunca achamos, para um problema que normalmente é feito para que não haja saída.
Aqui vejo espaço para reavivar minhas ideias abordadas no meu primeiro texto “abrindo os olhos” e no texto onde falo sobre o mito da caverna, “ofuscando os olhos”, onde nos limitamos, ou muitas vezes nos deixamos limitar. Observando com muita frieza posso ver que temos a seguinte PROGRAMAÇÃO, nascer, estudar para realizar uma função (até onde sei busca-se conhecimento pelo prazer, ou pelo menos devia ser assim), realizar essa função e depois esperar nossas peças falharem, se desgastarem pouco a pouco até que... apagamos.
Onde estão nossos propósitos? Vivemos por que queremos ou sempre estamos querendo por que não vivemos? Somos levados a pensar que nossos questionamentos são bobagens, que não vão levar a nada, induzidos a não pensar, apenas executar. Comportamos-nos como se tivéssemos nascido para isso apenas para servir, ando pela rua e vejo uma ambulância indo socorrer alguém e inevitavelmente penso “lá vão eles concertar mais uma peça”.
Como abrir os olhos ou ofuscá-los se diariamente somos vendados e anestesiados? A lágrima que escorre nos nossos rostos de tanto rir com a piada da TV, poderia ser de tristeza se descobríssemos que na verdade rimos de nós mesmos, feitos de tolos e enganados. E riríamos até cair no chão ao ver na mesma TV candidatos achando que nos convenceriam com suas falsas promessas, isso sim seria de matar de rir.
Afogamos-nos em trabalho e quando lidamos com a vida não sabemos o que fazer, mas a vida de verdade não a que o fantástico ou a rede globo como um todo tenta nos fazer crer que é uma vida. Começando um dia vendo Ana Maria Braga falando com um papagaio de espuma e ensinando a fazer pratos sofisticados uma nação onde muitos mal tem um pão e muitas vezes para toda uma família, encerramos o dia com o William Boner nos pedindo para acessar o site e votar para saber se Obama olhou ou não pro rabo de uma estudante e iniciamos a semana com Fausto Silva nos fazendo grudar na frente da TV e acreditar que a “dança dos famosos” é algo importante. Por que não dar nome aos bois?
“Não penso, não existo, só assisto”. Somos pautados pelo que usamos e vestimos, viramos garotos propaganda que trabalham de graça e somos levados a crer que isso é bom, repetimos ideias dos outros sem filtrá-las e dizemos que temos opinião. Como sempre nos concentramos na casca, sem querermos nos aprofundar, nos contentamos com aquilo que nos é mostrado. Hoje vivemos achando que conhecemos lugares e gente sem sair de casa, pela tela de um computador. Pra que sair, pra descobrir novas coisas, novas sensações e ver a vida de outra forma? Não, isso é perigoso (não para nós), é o que disfarçadamente nos dizem.
Nossa liberdade vem junto com proporcional responsabilidade, mas até onde sou livre? O que me faz deixar que um “governante” me diga o que fazer e aja como se estar naquele cargo fosse um legitimo direito dele? Esquecemos que eles nos representam, que nós é que os colocamos lá, que não fazemos parte de uma manada, que eles é quem devem trabalhar para nós e que eles por si só não formam uma nação. Devemos fazer nossa parte e parar de esperar que as coisas se resolvam por conta própria, por milagre ou qualquer outra razão impossível que apenas serve para nos eximir de culpa e responsabilidade. Não devemos nos “acomodar com o que incomoda” (TM).
P.S. : A frase “não penso, não existo, só assisto” vi num desenho mural (grafite se assim quiser chamar) onde, bem simbolizado, havia um homem sentado numa cadeira e no lugar de sua cabeça havia a logo da rede globo. Não sei quem é o autor.

Rodrigo

10 comentários:

{ Daniel Blankman } at: 14 de novembro de 2009 01:49 disse...

lembrei de duas músicas do Teatro Mágico: "O Mérito e o Monstro" e "Xaneu N°5". Acredito que ouvindo essas duas músicas, consegue-se entender perfeitamente o texto.
Vejo que hj a mídia vive de três coisas: pornografia, Ilusão e desgraça dos outro.
É um absurdo ver como eles exploram a desgraça alheia, e como fazem sua audiência almentar com esse absurdo. Basta olhar a guerra que aontece ai no Rio de Janeiro que nem precisamos falar masi nada.
Como sempre, um belo texto Digão.
Abrass

{ gAng } at: 15 de novembro de 2009 00:57 disse...

Vejo que hj a mídia vive de três coisas: pornografia, Ilusão e desgraça dos outro.

flw tudo

LAMENTAL

que pena

www.hysteria-project.blogspot.com

{ Bruno } at: 16 de novembro de 2009 23:13 disse...

A mídia sempre encobre uma coisa,com outro. Escândalo no senado ? algumas horas depois uma criança eh arremessada de uma janela e a tv soh fala disso...Somos realmente manipulados pela mídia.Globo principalmente. Chegaremos em uma época em que só existira globo,sbt e canais relacionados a igrejas.quem viver,verá.

http://cafeholandes.blogspot.com

{ Verdelone } at: 17 de novembro de 2009 01:00 disse...

Muito real tudo isso...
Assino em baixo...
CIA DOS BOTECOS - www.ciadosbotecos.blogspot.com

{ Barney Gumble } at: 17 de novembro de 2009 02:32 disse...

Verdade. Por isso sou a favor da guerra civil. E a extinção de programas de televisão. Isso é devido a lavagem cerebral feita por programas como Sílvio Santos e Luciano Huck.

http://atavernadomoe.blogspot.com/

Rodrigo Lisboa at: 17 de novembro de 2009 16:52 disse...

Pois é gente, concordo com o comentário que diz que a mídia cobre uma coisa com a outra. Quem não lembra do caso do mensalão? Nossa atenção foi desviada com o plebicito sobre o desarmamento, quando voltou a se falar no mensalão era quase que o apagar das luzes, só pra ver no que tinha dado e a Globo como sempre contrbuiu bastante para essa sacanagem

{ Diego Janjão } at: 18 de novembro de 2009 01:07 disse...

TV eh uma desgraça mesmo...

por isso naum assisto...

e sobre o grafite, quando passa estas mensagens assim eh q eh arte!

{ Michel } at: 20 de novembro de 2009 22:13 disse...

parabens pelo blog

{ iMarty Turbo } at: 20 de novembro de 2009 22:31 disse...

na midia tem o lado bom e o lado ruim... a globo por ser uma grande emissora ,emite suas ideias para que as pessoas sigam essas ideias

{ Thainá } at: 24 de novembro de 2009 22:24 disse...

Adorei de verdade esse texto, o desfecho tá muito bom, e não tinha jeito melhor de acabar do que com uma frase do TM. Me lembrou muito de Xanel Nº 5, uma das minhas preferidas por sinal.. parabéns!

http://atipicoeu.blogspot.com

 

Copyright © 2010 Sarau dos Éteres Blogger Template by Dzignine