Aparatos

| quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Bom Tá ai um texto sobre um assunto que gera muitas discussões. Não pensem que ataco aqui as religiões, vocês vão entender quando lerem, mas trata-se de reflexões, como sempre srrss. Obrigado por ler e espero que gostem.
Está lá na varanda refletindo sobre sua longa e bem vivida vida um senhor, um daqueles que lembra a palavra avô, um cara gentil com postura e atitude que fazem pensar "pô queria saber tanto quanto ele". Passa pela porta e vem sentar ao seu lado um garoto, olhar fixo na imagem seu velho como quem quer perguntar, mas não sabe como, o senhor já experiente sabe do que se trata e dá o primeiro passo:
_Pode perguntar.
_Perguntar o que?
_O que você quer saber. Pode perguntar
Ele olha pro garoto com um sorriso bondoso pra que ele se sinta a vontade.
_ Sabe o que é? Bom tem uma coisa que quero saber, mas não sei bem como perguntar por que ninguém gosta de falar sobre isso e eu não sei por que.
_Pode falar, a essa altura da vida já falei e vi de tudo.
_Porque temos tanto medo de morrer?
O senhor para e pensa " bom tá ai uma coisa que ainda não fiz, morrer".
_Bom filho, vamos parar pra pensar, isso não é uma coisa que todos queiramos, afinal representa o fim e ninguém quer acabar, mas por outro lado sua pergunta faz sentido por que o medo de morrer pode nos levar a outras coisas.
_Como o que?
_Bom vamos do começo?
_Claro.
_Sabe por que as pessoas tem tanto apego as religiões? Pelo simples fato de que eles não querem simplesmente sumir.
_Não entendi.
_O medo de morrer é a mãe de todas as religiões, todas elas procuram nos dar uma esperança de que não existe só o aqui e sim algo mais reservado para nós.
_Acho que tô entendendo.
_Não quero falar nisso de um modo a tornar a conversa numa coisa mórbida, pare pra pensar e comparar. A morte é como o sol, ela está lá é inegável e uma hora ela vai jogar sua luz sobre nós, mas sem os aparatos necessários ninguém consegue encarar, olhar de frente o sol.
_Claro, incomoda, nos deixa atordoados.
_Exatamente, você entendeu o que eu queria dizer. Na verdade para "encararmos o sol" não é bem necessário ganhar aparatos e sim perder certos pesos, diminuir nossa armadura para que fiquemos mais leves, para nos movermos melhor, baixar nossas defesas.
_Mas perder o que.
_O medo, não só com relação a morte o medo nos atrapalha, mas em tudo. Ele nos trava nos limita.
_E como faço para perder o medo?
_ Questione. Para para observar e verá que muitas, a maioria, pessoas vive como se nunca tivessem nascido ou nunca fossem morrer, como se sempre tivessem existido.
_É verdade.
_ Ao fazer isso elas agem como se tivessem a sua disposição todo o tempo existente, esquecem que só há, literalmente o agora, isso é fato.
_Mas então se a religião nos dá uma esperança, isso não é uma forma de nos limitar? De nos impedir de perder o medo?
_ De certa forma sim. Se perdêssemos esse medo, essa visão talvez fizesse mais sentido, veríamos que todas as inutilidades devem ser descartadas, veríamos e daríamos mais sentido a vida visto que só temos uma.
De que inutilidades o senhor fala?
_ A inutilidade da guerra por exemplo, a inutilidade do egoísmo. São absurdos que não fazem sentido.
_Mas então religião é ruim?
_Não, religião é algo particular. Em algumas casos é boa e em outros ruim, mas tudo depende de como se lida com ela.
_ Ruim? Nãotinha parado pra pensar nisso.
_ Ela pode ser um ótimo meio de persuasão, controle e qualquer tipo de manipulação é ruim.
_Então,como saber se estou no caminho certo ou não?
_Procure em si mesmo, isso é uma das coisas que você aprende sozinho. Não procure justificativas, procure sensações, experiências, essa é a escola da vida e ensina da melhor maneira, nos fazendo sentir. Sinta-se feliz satisfeito por estar vivo, sinta isso todos os dias e você vai ver que realmente a vida acontece agora, ela é muito boa pra ser desperdiçada, não é salário que você ganha todo mês, é única , um tesouro inestimável. Descarte as limitações e se torne livre, abra suas asas.
_Posso perguntar outra coisas?
_Claro.
_O senhor esta perto de ser iluminado por essa "luz" não é?
_Talvez.
_Como encara isso?
_Não encaro, sei que vem como o sol no amanhecer vai colocando sua cara pra fora aos poucos, mas só observo, enquanto isso, aproveito o orvalho da manhã que ainda está frio e gostoso, o fim da madrugada, abro os braços e recebo a brisa fria e praserosa da manhã que se inicia e sinto, apenas sinto.
_...
_Não tenha medo, viva da melhor maneira possível e espero que você chegue onde cheguei e sinta o mesmo que eu, olhe para traz e diga a si mesmo "valeu a pena", será sua maior satisfação, pois terá dado o maior presente aquela pessoa que é mais importante pra você, você mesmo.
O garoto agradece, se retira e pensa " vou fazer valer a pena" enquanto o senhor pensa " mais uma vez acabo de fazer valer a pena".


Rodrigo

3 comentários:

{ Autores } at: 21 de novembro de 2008 23:12 disse...

Cara,achei muito foda a frase "o medo de morrer é a mãe de todas as religiões",essa é a verdade e posso dizer pelo fato de que ao lado da loja que trabalho tem uma igreja(assembléia de Deus)e eles só falam que quando a gente morrer isso,quando a gente morrer aquilo e eu paro pra pensar o seguinte seguindo o que aprendi na nossa família e na minha formação religiosa(católica) na qual não sigo mais(isso não quer dizer que nunca mais voltarei e que odeio,pelo contrário,tenho orgulho da minha formação),é que devemos viver o agora e não o depois,o que nós fazemos será respondido quando a gente morrer no e chegar no juizo final.Ficar debatendo se isso é pecado,se tomar tal atitude é coisa do Demonio é babaquice pq se tudo q não é de Deus é demoníaco, então todo mundo tem que parar de assistir tv ou lêr revistas pq se assistir jornal só passa desgraça,quer dizer que o jornal é coisa do Demo?
Viva a vida intensamente e responda pelos seua atos no final mas cuidado para não entrar em caminhos errados e parar nas drogas e achar que vai sair quando tiver afim.

{ Kamilinha } at: 27 de novembro de 2008 00:59 disse...

Achei legal quando vc fala de medo, que medo limita!!! Isso é bem verdade!!! A história foi bem construída!!! Ficou bem legal!!!
BjooO

Nicol at: 13 de dezembro de 2008 00:27 disse...

Achei o texto ótimo! Vc conseguiu reunir vários questionamentos, não só em relação à religião (vem do latim religare = ligar o homem a Deus, como me ensinaram em Religião no colégio que eu estudei).. concordo com esse ponto de vista de que a religião tenta tornar a vida suportável, e que mtas vezes somos levados pelas nossas crenças a ter uma visão limitada sobre a morte e outros aspectos. Achei legal vc falar sobre liberdade de pensamento e reflexão, pois temos por aí várias "religiões" que no fim são apenas um meio de iludir as pessoas, provocar fanatismo ou mesmo assegurar interesses politicos. Lembro de uma frase que o Vinícius falava: "A religião é o freio do homem." e realmente é..só é uma pena que algumas pessoas a usem indevidamente ou cheguem a ferir pessoas "em nome de Deus". Gostei de associação que vc fez com a idéia do "carpe diem", em contraste com a morte. Na verdade, ninguém sabe ao certo como ela é..
Parabéns pelo belo texto!

 

Copyright © 2010 Sarau dos Éteres Blogger Template by Dzignine